curlymess.pt

Conjunto Corona nos Maus Hábitos (Reportagem)

in Música/Reportagens by

É Corona. É o que diz na tabuleta.
No passado dia 2 de Dezembro, os (agora) Conjunto Corona, deram a conhecer o seu mais recente álbum Cimo de Vila Velvet Cantina (CVVC), ao vivo no Maus Hábitos.

O início da noite ficou entregue ao Ângela Polícia, um projecto que aglomera várias variantes de hip-hop. Essa diversidade de composições e amplitude sónica são dois dos aspectos que mais se evidenciam – numa música têm uma cadência soturna, aguerrida e agressiva à la Death Grips como, a seguir, nos brindam com uma sonoridade aproximada ao reggae.

O Conjunto Corona instiga o espírito bairrista, não é de admirar, portanto, que o público seja composto pelas mesmas caras, normalmente. Como não podia deixar de ser, essas mesmas caras chamam outras caras e a “crew” vai crescendo. Os dois discos anteriores são sobejamente conhecidos por esta altura, desta forma, o foco estava em fazer chegar ao público o CVVC. A falange de fãs que constituía as primeiras duas/três filas tinha tudo na ponta da língua, os restantes foram apoderando-se das letras com o passar de cada refrão. “CV”, “Fruta da Ilha”, “Chino no Olho” e “Mafiando Bairro Adentro” demarcaram-se das restantes por serem os temas que geraram mais impacto, saídas do Cimo de Vila Velvet Cantina. Neste seguimento, músicas mais antigas como “Pontapé nas Costas” ou “Osso” receberam honrosas recepções.

img_2636

Para este concerto no Maus Hábitos, para além do grupo habitual, juntou-se também Mike el Nite que, contando com participações desde Lo-Fi Hipster Sheat, subiu ao palco para interpretar “Meio Crocodilo”.

O Conjunto Corona tem vindo a melhorar de concerto para concerto. No Maus Hábitos notaram-se algumas falhas no que diz respeito ao cumprimento de tempos na entrada das vozes. Mas o que ficou como nota de “menos bom” foram as três paragens para distribuírem hidromel. Não é uma má acção, desprovida de piada e completamente escusada, mas podiam conceber um método que não quebrasse de forma tão abrupta o seguimento do concerto. Questões de logística, no fundo.
De resto, foi uma noite muito “gentil” para todos.

_______________________________

Daniel Pinho (texto)

Ana Carvalho dos Santos (foto)

Últimos

Go to Top